quarta-feira, 28 de outubro de 2009

RALOIM? QUE QUE É ISSO?



Olá,
Hoje trago um artigo da revista ISTO É publicado há alguns anos atrás, cujo texto impresso eu tenho guardado em algum lugar dos muitos cantos alfarrábicos da minha casa. Agora disponível na íntegra em http://www.terra.com.br/istoe/1778/comportamento/1778_turma_do_saci.htm ( e viva a internet!).
Aqui, somente uma pequena parte.
Uma vez, numa reflexão sobre o assunto, uma professora da minha escola levantou a hipótese de que Haloween ou Bumba Meu boi, os dois eram estranhos para nossas crianças (meio urbano, região sudeste). A fala dela levantou algumas discussões sobre significados, valor agregado, mídia etc e foi muito produtiva.
Fica aqui uma sugestão para reflexão.
Vou avisando que eu gosto mesmo é de jerimum com jabá!
Vou postar a receita tb!
Bjs e boa leitura!
Eliete Nascimento


Bruxa por bruxa, o Brasil também tem as suas. Seres do outro mundo é o que não falta por aqui. No livro Geografia dos mitos brasileiros, o folclorista Câmara Cascudo apresenta mais de 100 assombrações. Do saci ao lobisomem, do curupira à mula-sem-cabeça, o batalhão de lendários personagens ainda encontra brechas para tentar resistir às entidades malignas que vêm de fora. Se a aproximação do Halloween anuncia imediato crescimento nas vendas de fantasias como chapéus de bruxa, vassouras de piaçaba, próteses dentárias com longos caninos, lençóis brancos com furos para os olhos e máscaras de Frankenstein, há quem tente transformar o dia 31 de outubro em uma ode à cultura nacional. Na cidade de São Luiz do Paraitinga, município a 186 quilômetros de São Paulo conhecido por preservar diferentes aspectos da tradicional arte do interior paulista, a noite de sexta-feira será festejada com o “Raloim caipira”, versão regional para a festa americana. Os principais restaurantes da cidade se uniram para servir o mesmo cardápio ecumênico: abóbora com carne seca. Assim, em vez de desperdiçar moranga cavando nela olhos e boca, todos poderão se fartar com um prato típico da nossa terra. (...)

sábado, 24 de outubro de 2009

SOBRE O MEDO




Olá,
Hoje trago um trecho de Rubem Alves a respeito do medo. Essa palavra cujo significado os moradores do Rio de Janeiro estão convivendo nos últimos anos e mais intensamente na última semana para quem mora na zona norte da Cidade Maravilhosa.
Afnal, o que é o medo? O que é o medo que nos persegue até mesmo com a possibilidade, com o não acontecido? Vale a pena refletir sobre o assunto.
Rubem Alves proporciona uma boa reflexão com uma de suas crônicas "TENHO MEDO". O texto completo se encontra em http://www.rubemalves.com.br/tenhomedo.htm
Beijos e boa leitura.
Eliete Nascimento.



"Somos iguais aos animais, em que as mesmas coisas terríveis podem acontecer a eles e a nós. Mas somos diferentes deles porque eles só sofrem como se deve sofrer, isto é, quando o terrível acontece. E nós, tolos, sofremos sem que ele tenha acontecido. Sofremos imaginando o terrível. O medo é a presença do terrível-não-acontecido, se apossando das nossas vidas. Ele pode acontecer? Pode. Mas ainda não aconteceu e nem se sabe se acontecerá.
Curioso: nós, humanos, somos os únicos animais a ter prazer no medo. A colina suave não seduz o alpinista. Ele quer o perigo dos abismos, o calafrio das neves, a sensação de solidão. A terra firme, tão segura, tão sem medo, tão monótona! Mas é o mar sem fim que nos chama: “A solidez da terra, monótona, parece-nos fraca ilusão. Queremos a ilusão do grande mar, multiplicada em suas malhas de perigo...“ (Cecília Meireles).
A pomba, que por medo do gavião, se recusasse a sair do ninho, já se teria perdido no próprio ato de fugir do gavião. Porque o medo lhe teria roubado aquilo que de mais precioso existe num pássaro: o vôo. Quem, por medo do terrível, prefere o caminho prudente de fugir do risco, já nesse ato estará morto. Porque o medo lhe terá roubado aquilo que de mais precioso existe na vida humana: a capacidade de se arriscar para viver o que se ama."

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

LIMITES




Olá,
Hoje trago um texto que já foi usado para reflexão entre pais e professoras nas reuniões de responsáveis na escola onde atuo como coordenadora. As questões relativas aos limites é fundamental na educação. Por muitas vezes precisamos lembrar aos responsáveis qual o seu papel e qual é o significado da palavra “responsável”. O texto foi adaptado por mim, para fins pedagógicos, do livro da Tania Zagury “Limites sem traumas”.
Beijos e boa leitura!
Eliete Nascimento



LIMITES

O ser humano, ao nascer, não tem ainda uma ética definida, não sabe o que é certo e o que é errado. E são os pais, especialmente, que têm esta tarefa fundamental e espetacular: educar os filhos. Educar é dar limites, amor e compreensão (entre outras coisas).
A família deve ensinar que os direitos são iguais para todos e que existem outras crianças no mundo. Ensinar que a cada direito corresponde a um dever. Saber dizer sim é tão importante quanto dizer não.
Crianças precisam saber que muitas coisas podem ser escolhidas por elas e que outras coisas são os adultos que escolhem. Adultos são responsáveis pelas crianças, portanto, são adultos que decidem as coisas importantes da vida: para qual escola vai, o que vai comer, que orientação religiosa vai receber etc
A família deve ensinar a tolerar as pequenas frustrações no presente, para que no futuro, os problemas da vida possam ser superados com equilíbrio e maturidade (a criança que aprende a esperar a sua vez de ser servida à mesa, amanhã não considerará um insulto esperar a vez na fila do cinema, por exemplo).
Ensinar aos filhos a adiar uma satisfação e a conviver com algumas frustrações pode evitar que ele cresça achando que todo mundo tem de satisfazer seus mínimos desejos. A criança que aprende a lidar com a contrariedade não fica agressivo, amargo ou desequilibrado emocionalmente quando seus desejos não são atendidos. Os pais têm que saber diferenciar o que é uma necessidade dos filhos daquilo que é um desejo.
Pais têm que dar o exemplo: quem quer ter filhos que respeitem a lei e as outras pessoas tem que viver seu di-a-dia dentro desses princípios (ainda que a sociedade não tenha apenas indivíduos que façam desta forma, você pode fazer e ensinar seu filho a fazer uma sociedade melhor).
Afinal, que futuro queremos para nossas crianças?

domingo, 18 de outubro de 2009

MULHERES




Olá,
Hoje trago um texto do escritor Eduardo Galeano, do livro “MULHERES”, Ed L&PM , 1997,trad. de Eric Nepomuceno. O livro em si é fantástico! Traz histórias de mulheres do Brasil, de países da América Latina, e de outros lugares do mundo. São histórias curtinhas,em forma de prosa, ou contos, de mulheres guerreiras, sonhadoras, indígenas, pacifistas, lutadoras. É uma indicação de leitura que vale a pena!
É um livro curtinho, em formato “pocket.” E recomendo! O livro tem historias sobre mulheres famosas e anônimas, tem Carmem Miranda, Rita Hayworth e outras. É uma verdadeira ODE À MULHER! Este texto é sobre uma mulher que virou um mito no cinema. Escolhi este texto pelo fascínio que tenho pelo cinema (quem me conhece sabe bem disso...) e pelos astros e estrelas que compõem a sua história. Prometo postar outros textos desse mesmo livro ligados às mulheres brasileiras em breve!
Beijos e boa leitura!
Eliete Nascimento




MARYLYN

"Como Rita (Hayworth), esta moça foi corrigida. Tinha pálpebras gordas e papadas, nariz de ponta redonda e dentes demasiados: Hollywood cortou a gordura, suprimiu cartilagens, limou seus dentes e transformou seus cabelos castanhos e bobos numa maré de ouro fulgurante. Depois os técnicos a batizaram como Marylin Monroe e lhe inventaram uma patética história de infância para que ela contasse aos jornalistas.
A nova Vênus fabricada em Hollywood já não precisa se meter em cama alheia para conseguir contratos para papéis de segunda em filmes de terceira. Já não vive de salsichas e café, nem passa frio no inverno. Agora é uma estrela, ou seja: uma pessoinha disfarçada que gostaria de recordar, mas não consegue, certo momento em que simplesmente quis ser salva da solidão."

by
http://www.coletaneadetextos.blogspot.com

ESPERANÇA E FÉ



Olá,
Os últimos acontecimentos na manhã de sabado, 17/10, na Cidade Maravilhosa,tiros, mortes, sofrimentos, nos deixaram perplexos e assustados. Um dos helicópteros, não sei se foi o que caiu, nos momentos anteriores a queda, passou tão perto da varanda, aqui no 14º andar, que trememos de medo. Alías, MEDO foi a palavra do dia... Mas temos a perspectiva do amanhã. Que venha o sol, que venha a paz... Não percamos a fé, a esperança e o otimismo.
As flores ainda não chegaram, mas tenho certeza que virão. O Renato Teixeira na música Tocando em frente diz "é preciso paz para poder sorrir, é preciso a chuva para florir"...
Segue um pequeno texto que recebi de uma amiga por email.
Beijos e boa leitura!
Eliete Nascimento


ELE

Ele te manda flores
toda a Primavera
Ele te manda o nascer do Sol
a cada manhã.
A qualquer momento que você
quiser conversar, ele escuta.
Ele pode morar em qualquer
lugar do universo, mas ele
escolheu o seu coração !
Encare isso, minha (meu)amiga(o)
Deus é louco por você !
Deus não prometeu dias
sem dor, risos sem sofrimento,
sol sem chuva, mas...
Ele prometeu força para o dia,
conforto para as lágrimas e
luz para o caminho.
Que Deus te abençoe e te
proteja hoje e sempre!

by
http:www.coletaneadetextos.blogspot.com

sábado, 17 de outubro de 2009

MAIS SIMPLES É MELHOR



Olá,
Hoje trago um texto sobre simplicidade. Não tenho a autoria, então quem tiver me mande. Acho que vi no site possibilidades.com ou efetividade.net. Quando li achei que poderia funcionar como “dez mandamentos” da mulher moderna, que trabalha fora e mais ainda dentro de casa, que tem filhos, marido, casa, bichinhos e precisa conciliar tempo para todos e principalmente para si mesma. Fiquei pensando como muitas pessoas complicam situações ou tarefas que podem ser simples. Eu já vivi situações assim e hoje acho que aprendi a não cair em algumas armadilhas.
Beijos e boa leitura! Simples assim!
Eliete Nascimento



“Simplificar é mais fácil dizer do que fazer, porque a quantidade de tarefas e afazeres que exigem a nossa atenção dia após dia, muitas vezes parece o monte Everest – difícil de escalar! Mas o que é tão bom no ato de simplificar é que não é preciso fazer de uma só vez. Pode ser feito aos poucos,em pequenos passos.
Assim fica melhor percorrer o caminho e ao mesmo tempo se divertir durante a viagem! As 10 dicas abaixo são coisas simples. Escolha uma destas sugestões hoje, outra amanhã e ao final de um tempo, terá conquistado a lista inteira!
Mãos à obra e boa sorte!

1. ELABORE UMA PEQUENA LISTA. Faça uma lista curta com as 5 coisas mais importantes da sua vida. O que é realmente mais importante? A que dá mais valor? Quais são 5 coisas que mais quer fazer na vida? O ato de simplificar começa precisamente com estas prioridades. O que você precisa fazer para se dedicar mais a estas prioridades?
2. ACABE COM UMA OBRIGAÇÃO. Pense em todas as coisas que preenchem a sua vida e descubra aquela que lhe dá menos prazer fazer. Algo que lhe “roube” tempo, mas à qual não dá muito valor. Pode ser o grupo com o qual voc~e se reúne todo sabado, a administração do seu condomínio, a liderança da associação de pais da escola dos seus filhoso ... Livre-se daquilo que te incomoda, aquilo que era um prazer e virou uma obrigação.
3.LIMPE UMA GAVETA Ou uma estante ou um armário ou um canto de um quarto. Não precisa de ser um quarto inteiro ou um armário inteiro. Apenas uma pequena área, que pode utilizar como a sua base de simplicidade, expandindo a partir daí. Escolha apenas as coisas realmente usa e que adora. 3) Deite o resto fora. Agora mesmo. Deite para o lixo, para a reciclagem ou coloque em sacos, e de seguida no carro, para poder dar ou doar. 4) Volte a guardar, de forma ordeira, os objetos que valoriza e que têm real utilização.
4.ESTABELEÇA LIMITES Basicamente, isto implica estabelecer limites para as coisas que faz regularmente: consultar o e-mail, navegar na Internet, falar ao telemóvel, enviar SMS, ver televisão, tarefas diárias e outros aspectos do seu quotidiano, etc. E tente cumprir esses limites. Hoje, apenas tem de fixar limites para algumas das coisas da sua vida. Amanhã, tente cumpri-los.
5.SIMPLIFIQUE SUA LISTA DE COISAS PARA FAZER. Observe atentamente a sua lista. Se esta contiver mais do que 10 tarefas, provavelmente pode simplificá-la. Decida quais são as tarefas que podem ser eliminadas, delegadas, automatizadas, entregue a terceiros ou ignoradas. Encurte essa lista. Este é um excelente hábito para praticar, pelo menos, uma vez por semana.
6.GANHE TEMPO LIVRE. Em geral, simplificar a sua vida significa ganhar tempo livre para fazer as coisas que realmente gosta. Tente separar uma horinha para pensar em simplificar, pensar nas formas como pode tornar a sua vida mais simples. Como vai encontrar uma hora para isso? Veja menos televisão, levante mais cedo, dê um passeio na hora do almoço, desligue a Internet, veja os seus e-mails apenas uma vez por dia, fale menos ao celular, faça menos uma coisa todos os dias.
7.ORGANIZE A SUA MESA DE TRABALHO. Uma mesa de trabalho limpa e organizada produz sentimentos positivos e surpreendentes! É uma tarefa simples e o retorno é excelente! Se a sua mesa estiver coberta de documentos, livros, post-its e material de escritório, você pode não conseguir executar esta tarefa hoje. Passos básicos: 1) Retire tudo de cima da sua mesa e coloque numa pilha no chão. 2) Comece a filtrar essa pilha de cima para baixo, analisando um item de cada vez. Não adie decisões sobre qualquer um dos itens, mas decida rapidamente o destino de cada um. 3) Arquive, recicle, jogue fora, encaminhe para outra pessoa... 4) Repita até eliminar essa pilha de coisas e a sua mesa estar completamente livre. Livre-se ainda de todas as bugigangas e itens inúteis. Sobre a sua mesa deve estar apenas o seu computador, uma pasta ou caixa para assuntos pendentes, um bloco de notas, e talvez uma ou duas fotografias ( não mais do que isso!). 5) A partir de agora, coloque na caixa ou pasta os assuntos pendentes e organize-o da mesma forma. Organize sua mesa pelo menos uma vez por dia.
8. ESVAZIE A CAIXA DE ENTRADA DO SEU E-MAIL. Tem o mesmo efeito psicológico que uma mesa limpa. A caixa de entrada do seu e-mail está sempre cheia de mensagens lidas e não lidas? Isso significa que você demora a tomar decisões. Se tiver 50 e-mails ou menos na sua caixa de entrada, pode processá-los todos hoje! Se tiver centenas de e-mails, coloque-os numa pasta temporária e veja-os em blocos, por exemplo, 20 por dia. Aproveite estas sugestões para otimizar sua caixa de emails: 1) Verifique os e-mails de cima para baixo, um de cada vez, tomando decisões e eliminando cada um imediatamente. 2) Tem diversas escolhas: apagar, arquivar, responder na hora, encaminhar, assinalá-los de alguma forma específica, tomar nota para responder mais tarde. 3) Repita este processo com cada e-mail até esvaziar a caixa de entrada. 4) Cada vez que consultar o seu e-mail, processe as mensagens sempre com o intuito de esvaziar a caixa de entrada.
9.MAIS DEVAGAR É MELHOR. Passamos o dia em “modo apressado”, correndo entre tarefas, reuniões e compromissos diários até ao final do dia, quando nos estendemos, exaustos, em cima do sofá. Em vez dessa correria diária, simplifique a sua vida, fazendo menos ou de forma mais lenta. Coma mais devagar, conduza mais devagar, caminhe mais devagar, tome banho mais devagar, trabalhe mais devagar. Seja mais deliberado. Esteja presente. Isto não é algo que vai conseguir dominar hoje, mas pode começar a praticar agora mesmo.
10.UMA COISA DE CADA VEZ. Em vez de executar múltiplas tarefas , faça uma coisa de cada vez. Livre-se das distrações, resista a qualquer desejo para conferir o seu e-mail ou para atender o celular quando estiver fazendo algo. Concentre-se na tarefa que tem em mãos até terminar. O impacto nos seus níveis de stress e de produtividade será enorme.

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

O QUE VALEU A PENA HOJE?



Olá,
Hoje, dia dos professores, trago um texto que recebi por email e que valeu a pena ler. Aliás, hoje foi um dia de onde tirarei muitas coisas que valeram...
Beijos e boa leitura!
Eliete Nascimento


O que valeu a pena hoje?
Sempre tem alguma coisa. Um telefonema. Um filme...

Paulo Mendes Campos, em uma de suas crônicas reunidas no livro "O amor acaba", diz que devemos nos empenhar em não deixar o dia partir inultilmente.
Eu tenho, há anos, isso como lema. É pieguice, mas antes de dormir, quando a noite chega e o sono ainda não veio, eu penso: o que valeu a pena hoje? Sempre tem alguma coisa: um telefonema; um filme;um corte de cabelo que deu certo; um
e-mail inspirado... Até uma briga pode ter sido útil, caso tenha iluminado o que andava escuro dentro da gente.
Já para algumas pessoas, ganhar o dia é ganhar mesmo: ganhar um aumento, ganhar na loteria, ganhar um pedido de casamento, ganhar uma partida, ou até um presente.
Para quem valoriza apenas as megavitórias, sobram centenas de outros dias em que, aparentemente, nada acontece, e geralmente são essas pessoas que vivem dizendo que a vida não é boa, e seguem cultivando sua angústia existencial com cachaça e uísque, mesmo já tendo seu super apartamento, sua bela esposa, seu carro do ano e
um salário aditivado.
Nas últimas semanas, meus dias foram salvos por detalhes. Uma segunda-feira valeu por uma música que não conhecia e alguém me mandou por e-mail... Um outro dia valeu por um pedido de desculpas que eu fiz e que me deixou em paz comigo mesma... E assim correm os dias, presenteando a gente com uma música, uma frase, um instante especial que acaba compensando 24 horas banais.

Claro que tem dias que não servem pra nada, dias em que ninguém nos surpreende, o trabalho não rende e as horas se arrastam melancólicas,sem falar naqueles dias em que tudo dá errado: batemos o carro... somos multados, perdemos a chave do carro...
Mas até a tristeza pode tornar um dia especial, só que não ficaremos sabendo disso na hora, e sim lá adiante, naquele lugar chamado futuro, onde tudo se justifica. Pode ser muita condescendência com o cotidiano, mas não deixar o
dia de hoje partir inutilmente é um meio de aguardar com entusiasmo o dia de amanhã...

E aí? O que você “tirou” do dia de hoje?

Beijos e
Feliz Dia do Mestre,(que, cá prá NÓS, PROFESSORES) é TODO DIA!
Eli.

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

BRINCADEIRAS E AMBIENTE ESCOLAR













Olá,
Hoje trago trecho de texto de Zilma Moraes Ramos de Oliveira, da apostila “Pontos para orientar o trabalho pedagógico na educação infantil”, apresentada a profissionais de EI da Cidade do Rio de Janeiro em abril 2007.
O texto na íntegra posso mandar por email: elieternascimento@yahoo.com.br
Beijos e boa leitura!
Eliete Nascimento


"Espera-se que a brincadeira infantil ocupe lugar privilegiado nas rotinas das creches e pré-escolas. Isso requer superar a concepção de muitos educadores de que o tempo de brincar nas instituições de EI é uma exceção à norma do trabalho, ou uma atividade para preencher o tempo de espera, ou um prêmio em caso de bom comportamento.
Brincar é uma atividade essencialmente humana, principal modo de expressão da infância e mediador básico na formação da consciência humana. Brincar é a ferramenta por excelência para a criança aprender a viver, revolucionar sua experiência e criar cultura.
A brincadeira constitui um contexto onde se produz um tipo de comunicação que possibilita às crianças indagar sobre seus próprios pensamentos e pôr a prova seus conhecimentos no uso interativo de objetos e conversações. Ao criar uma atividade imaginária e nela agir, a criança usa os elementos pré-determinados do espaço vital, embora de um modo diverso do pré-determinado, para criar algo diferente.
O brincar em situações de faz-de-conta é marcado por um diálogo que a criança estabelece consigo mesma, com o outro ou com um ou mais objetos. Essa brincadeira, chamada de jogo simbólico, constitui um contexto onde se produz um tipo de comunicação rica em matizes e que possibilita às crianças indagar sobre seus próprios pensamentos e pôr a prova seus conhecimentos no uso interativo de objetos e conversações. Assim, no jogo simbólico, a criança recombina elementos perceptuais, cognitivos e emocionais, cria novos papéis para si e para os colegas, e reorganiza cenários e enredos, criando espaço para a fantasia, a novidade.
O jogo simbólico, ou faz-de-conta, é governado por regras (as da imaginação), o que limita as crianças , e ao mesmo tempo, as libera, ou seja, as ajuda a dominar impulsos imediatos e a controlar-se. Seu aspecto único é a criação de uma situação imaginária que se articula com as limitações colocadas sobre as ações que ocorrem no jogo.
A organização do ambiente para ampliar a ocorrência das brincadeiras infantis nas creches e pré-escolas e torná-las mais criativas, significativas, deve envolver os seguintes aspectos: materiais disponíveis, os tempos e espaços para brincar, as interações infantis. É preciso lembrar que a criança brinca no seu dia-a-dia, não apenas nos minutos destinados ao parque, o que vai exigir do professor um planejamento que considere o caráter essencialmente lúdico das vivências infantis.
Para mediar a organização de melhores condições para ocorrer o brincar, é necessário que o professor:
● garanta oportunidade para a criança brincar isoladamente e em grupos, com parceiros da mesma idade e de idades diferentes (não apenas os da sua própria turma), de forma livre e dirigida, com a participação do professor ou não, a depender das iniciativas infantis.
● Incentive a autonomia das crianças na organização de materiais, criação de cenários, enredos e papéis para brincar.
● Participe das brincadeiras quando julgar conveniente ou quando convidado, e seja mediador dos conflitos nelas desencadeados.
● Crie condições para estender as brincadeiras e outras atividades lúdicas aos diversos espaços da instituição e ocorrer no interior do prédio (salas, galpão, refeitórios, banheiros), na parte externa (parques, tanque de areia) e para além dela, no campinho, gramado ou praça vizinhos à escola.
● Apóie a ampliação do repertório de brincadeiras para além do faz-de-conta: jogos de regras, brincadeiras cantadas jogos de tabuleiro, entre outros.
● Incentive as crianças a tomar as brincadeiras vividas como assunto tanto nas rodas de conversa quanto nas situações comunicativas informais envolvendo professores e crianças.
Os materiais disponíveis para a brincadeira devem:
● ser diversificados e flexíveis: brinquedos (convencionais, industrializados e artesanais); materiais não estruturados (papelão, tecidos, pneus e outros materiais reaproveitáveis).
● Incluir fantasias e adereços que possibilitem às crianças viverem diferentes papéis;
● contar coma presença de objetos da própria cultura, incluindo diferentes portadores de textos, que podem aumentar variados enredos.