terça-feira, 29 de junho de 2010

UM DIA DAQUELES




Um dia daqueles...
Tem dias que parece que tudo dá errado! Geralmente, nestes dias, os acontecimentos começam logo cedo. Aí, você pensa: “o dia começou mal”, constatando a realidade. Ouve de outra colega nos primeiros quarenta minutos de trabalho: “hoje o dia vai ser quente, já começou assim de manhãzinha”...
Nestas horas tem aquela outra colega, supersticiosa de plantão, que diz: “não pode falar assim, isso atrai coisas ruins”...
Conforme o dia vai passando, e estes dias, incrivelmente, parece que passam mais devagar, a sucessão de “acontecimentos”continua. Lá pelas tantas da manhã, cansada de tanta coisa estranha acontecendo, você pensa: “vou voltar para a cama, dormir e acordar de novo. Será que melhora?”
Pena que não dá para fazer isso! O trabalho numa escola urge. E às vezes também ruge!
Aí vem a hora do almoço.
Você almoça, vai na rua, se distraí um pouco, vê televisão, assiste um pedacinho do jogo da Copa, toma um café, volta para o segundo round. Neste dia, parece que os deuses tentam te recompensar com um almoço magnífico, proporcionado pela gentileza de um colega de trabalho. Aí você pensa: “ah, que bom, algo para salvar o dia!”
O início da tarde tenta te enganar com uma falsa calmaria...
Conforme a tarde vai passando, mais acontecimentos vão se desenrolando. No final do dia você ainda se pega apagando incêndios.
Na hora de fazer a contabilidade diária, os números não batem: de bom, o almoço, o desenvolvimento de um projeto que anda de vento em popa; de ruim: músculos tensos, alta dose de aborrecimento, duas atas, horário estendido, sangue envenenado por uma adrenalina negativa.
É preciso zerar este débito!
O antídoto: a sua casa, aconchegante; um banho quente; alguém para fazer uma massagem; um pouco de pernas pro ar; um pouquinho de jogo no computador (diz uma amiga que o jogo “esvazia a cabeça”); lanchinho gostoso; uma taça de vinho, quem sabe?; uma palavra amiga; uma família acolhedora; um filminho despretensioso...
Ah, e se você tiver religião, uma reza muito forte!
Porque amanhã tem mais! Mas tem a possibilidade de ser melhor!
Graças a Deus!
Eliete Nascimento

quarta-feira, 23 de junho de 2010

UM MONTE DE IDEIAS




Olá,
Hoje retorno ao blog depois de um tempo sem postar. Na verdade, ando escrevendo outras coisas e o tempo fica curto quando temos um monte de ideias dentro da cabeça.
Parece que a gente não sossega enquanto não “transfere” tudo para o computador, para o papel. Seja lá qual for o meio, é preciso colocar as ideias para fora...

Ultimamente tenho feito isto regularmente. Enquanto isso, em outras áreas, parece que as ideias se esgotam. Acho que o que acontece é que a cabeça está concentrada, pensando numa determinada coisa. Parece uma fixação. Outro dia fiquei de pé, parada com a porta do quarto de empregada (que aqui em casa chamamos de o quarto do pânico) aberta. O quarto serve para guardar coisas. Fui pegar algo lá e EXATAMENTE na hora que abri a porta, me ocorreu uma solução, uma fórmula melhor para algo que estava escrevendo aquele dia. Fiquei parada, pensei: é isso! Deve ser isso que o cientista experimenta quando descobre algo. Resultado: fui para o computador com a nova ideia, mas esqueci o que tinha ido buscar lá. Coisa estranha...
Depois que escrevi tudo, bem depois, lembrei: fui buscar uma edição antiga de uma revista de decoração que havia prometido para uma colega!
No trabalho de vez em quando fico com crise de ideias. Aí, viro para uma das minhas parceiras e peço uma ajuda: o que você acha? Que tal? Me dá uma ideia para melhorar isto ou aquilo...Uma delas sempre me cobra dez reais por qualquer ajuda. Do jeito que estou em crise, vou ficar devendo muito...
Ate pensei se não estaria na hora de fazer uma coisa de cada vez. Bem, tem coisas que realmente precisamos fazer uma de cada vez. Outras não, como ler, por exemplo. Pelo menos para mim. Tenho mania de ler várias coisas ao mesmo tempo, mas nunca leituras da mesma natureza. Por exemplo: um livro de ficção, com um de não ficção, com um relacionado ao trabalho, e assim vai. Atualmente estou lendo "Alice" numa edição especial que comprei no salão do livro e um sobre "Mitologias", ambos da Zahar; também leio "O que é qualidade na literatura infanto juvenil", da DCL e na cabeceira tem aquela coletânea de Crônicas que os professores da PCRJ ganharam: "As cem melhores crônicas da literatura brasileira", da Objetiva, que vou desgustando aleatoriamente. Uma amiga já ligou dizendo que o novo livro do Marcelo Gleiser já está na casa dela me esperando. E tem mais alguns na fila...
Tudo bem, podem me chamar de doida!
Mas eu gosto...
Eliete Nascimento