sábado, 20 de agosto de 2011

PREVENÇÃO CONTRA ASSALTOS





Olá,
hoje trago um texto de Millôr Fernandes de 1978 e atual como nunca. Em tempos de segurança digamos, complicada no Rio de Janeiro, vale a pena reler e se deliciar com o humor refinado do Millôr. O texto completo e outras obras de Millôr Fernandes, assim como outros autores nacionais pode ser encontrado num site que A-DO-RO, que e o www.releituras.com. A imagem é do site http://pt.dreamstime.com  
Beijos e boa leitura!
Eliete  Nascimento



 
Prevenção contra assaltos

MILLÔR FERNANDES
Como os assaltos crescem dia-a-dia, não podendo contê-los, a PM, sabiamente, dá conselhos aos cidadãos para serem menos assaltados:
1) Não demonstre que carrega muito dinheiro.

2) Jamais deixe objetos à vista, dentro do carro.

3) Levante todos os vidros, mesmo em movimento.

4) Não deixe documentos no veículo.

5) Na volta, ao se aproximar do carro, verifique se não há alguém suspeito por perto.

6) Não leve objetos de valor nem muito dinheiro para a praia.

7) Se, ao ir à praia, for de carro, coloque o veículo num ponto em que fique ao alcance de sua vista.

8) À noite, em locais escuros, use faróis altos.

9) Não dirija com o braço fora do carro.

10) Ao chegar em casa e antes de descer para abrir o portão, ou esperar por isso, verifique se não há pessoas suspeitas por perto.

11) À noite não se deixe aproximar por veículos com mais de dois homens.

12) Se assaltado, fique calmo. Não faça movimentos bruscos e evite encarar os assaltantes. Não discuta nem reaja.

13) Evite aglomerações. Nos locais em que todos se acotovelam os punguistas agem.

Depois de ler com extrema atenção estas instruções oficiais, acrescento as minhas, ou melhor, resumo:
1) Não saia de casa.


2) Se possível, não saia do quarto.

3) De preferência, não saia do cofre.


Texto extraído do livro "Que país é este?", Editorial Nórdica Ltda. — Rio de Janeiro, 1978, pág.113.

Tudo sobre 
Millôr Fernandes e sua obra em "Biografias".

domingo, 7 de agosto de 2011

RUA DO LAVRADIO

Olá,
Ontem, eu e minha família resolvemos passear pela Rua do Lavradio, onde todo primeiro sábado do mês ocorre uma Feira de Antiguidades chamada de Feira do Rio Antigo e ao terceiro sábado de cada  mês acontece um evento que reúne antiguidade e gastronomia. Em plena temporada Rio Gastronomia, valeu a pena unir as duas coisas.
Lá fiquei sabendo que o evento Rio Gastronomia vai escolher " a melhor feijoada de escola de samba do Rio". Para os frequentadores de quadras de escolas de samba, uma  boa pedida.
Eu fiquei com a feijoada do Santo Scenarium mesmo (Rua do Lavradio 36) que não é de escola de samba, mas é  divina!  A cerveja geladíssima, caipirinha bem feita!
Acho que os santos na parede dão conta do recado! Amei!
A Rua do Lavradio carrega em sua história a proeza de ter sido reduto artístico, cultural e boêmio do Rio Antigo, através do Marques do Lavradio, que legou seu nome à rua.  Na falta de entretenimento na colônia, nobres e artistas se reuniam nesta rua para incrementar a vida social. A história completa da Rua do Lavradio pode ser lida no livro História das Ruas do Rio, pela Lacerda Editores, de Brasil Gerson e remodelada por Alexei Bueno. A  indicação do livro vale para conhecer a história de  muitas  outras ruas do Rio, pois a edição é bem completa. Estou com esse livro emprestado de uma amiga e  professora que trabalha comigo, Liane, que é capixaba apaixonada pelo Rio. Valeu, Liane!
Aula de história à parte, a Rua do Lavradio hoje tem uma vida própria.
História e lendas. Antiguidades e cacarecos. Arte e artesanato.
Gente. Alegria. Movimento. Turistas e gente da terra. Muita energia boa.
Tudo se reúne na Rua do Lavradio, que começa ali pertinho da Praça Tiradentes e termina na Rua do Riachuelo. O estilo da rua, com sobrados do Rio Antigo, alguns quase (literalmente) caindo, outros bem reformados são um charme á parte.
Para beliscar, beber uma caipirinha, uma cerveja nacional ou importada, variados bares e restaurantes. Já experimentamos os bares da Rua do Lavradio fora deste dia de feira e o movimento é grande mesmo à noite. Para sair, ver gente, jogar conversa fora numa mesa de bar, falar mal da  política, abraçar seu amor, (seja quem for), fazer planos, passar o tempo, conhecer gente nova, ouvir outros idiomas.
Vale a pena!
Dica carioquíssima!
Beijos,
Eliete Nascimento